A DISTOPIA E O DEVANEIO AMAZÔNICO PELOS OLHOS DE JOSÉ

Autores

  • Francisca de Lourdes Souza Louro Universidade Federal do Amazonas – UFAM

Resumo

Crônicas de Manaus, do Professor Doutor José Aldemir de Oliveira, é o inventário da Distopia que a cidade de Manaus vem sofrendo, pelo descaso político e social, com o desenvolvimento desde os tempos idos de 1967. É o olhar do morador, do geógrafo, do homem preocupado que percorre as ruas, os labirintos, os becos, as praças, os bairros os antigos e os periféricos e, os condomínios, espaços modernos da cidade. Também, no olhar, repousa o (des)conforto de perceber os prédios antigos, serem substituídos por novos modelos, (des)(re)configurando o espaço. As (re)(in)ferências dos modelos antigos vão se acomodando no labirinto da memória das pessoas que conhecem ou conheceram estes espaços, mas que logo vão para o calabouço do esquecimento e, essas pessoas, também, morrem juntos com o passado. A angústia de perceber o movimento de desfazer, fazer e/ou refazer a arquitetura do passado, sublimada pela presente e lustrosa, que ora se impõe como modelo e desejo da nova moda de arquitetura é o Leitmotiv da obra, é o amor declarado, em forma de crônica, que tem como personagem, a Cidade de Manaus.

Biografia do Autor

Francisca de Lourdes Souza Louro, Universidade Federal do Amazonas – UFAM

Doutora em Poética e Hermenêutica. UC-Portugal.

Downloads

Como Citar

Louro, F. de L. S. (2015). A DISTOPIA E O DEVANEIO AMAZÔNICO PELOS OLHOS DE JOSÉ. Revista Decifrar, 3(5), 83. Recuperado de //www.periodicos.ufam.edu.br/index.php/Decifrar/article/view/1078

Edição

Seção

Outros Ensaios