Infâncias e crianças ribeirinhas da Amazônia paraense: brincadeiras reveladas no seu cotidiano como elemento da organização do meio social educativo na educação infantil

Autores

  • Jeyse Sunaya Almeida de Vasconcelos Universidade Federal do Oeste do Pará- UFOPA
  • Sinara Almeida da Costa Universidade Federal do Oeste do Pará- UFOPA

DOI:

https://doi.org/10.29280/rappge.v9i1.12231

Palavras-chave:

Meio Social Educativo, Brincadeira, Educação Infantil, Crianças Ribeirinhas da Amazônia, Teoria Histórico-Cultural

Resumo

Este artigo é parte de uma pesquisa realizada com crianças da educação infantil de uma comunidade ribeirinha da Amazônia paraense. Discute, a partir da Teoria Histórico-Cultural (THC) de Vigotski, a forma como a organização do meio social educativo pode interferir na brincadeira de faz de conta nos espaços coletivos de educação na infância, reconhecendo a importância do meio e das relações nele estabelecidas como fatores de constituição e desenvolvimento humano. Participaram da pesquisa treze crianças entre três e quatro anos de idade. As crianças foram observadas brincando em suas casas e na escola. Foram analisados os temas, os objetos e as peculiaridades das brincadeiras. Os resultados apontam que brincar de subir em árvores, construir brinquedos com folhas, sementes e galhos de árvores, tomar banho no rio, brincar de pescar, andar de canoa etc., constituem-se como espaços de relação social e de desenvolvimento, sendo peculiares ao brincar das crianças ribeirinhas. Contudo, a escola tem utilizado um currículo “urbanocêntrico” e o brincar não tem ocupado lugar de destaque no meio social educativo organizado pela professora. Na rotina das crianças, a brincadeira acontece em momentos isolados e é tida pela docente como passatempo e dispêndio de energia. Conclui-se que, se a escola da infância tem como objetivo interferir de modo positivo no desenvolvimento social da personalidade consciente das crianças, faz-se necessário organizar o meio social educativo de modo a não apenas possibilitar o brincar, mas acima de tudo, impulsioná-lo. Assim, o brincar passa a ser princípio norteador das práticas pedagógicas dos professores.

Biografia do Autor

Jeyse Sunaya Almeida de Vasconcelos, Universidade Federal do Oeste do Pará- UFOPA

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Federal do Pará - UFPA (2008), Especialização em coordenação pedagógica (2013) e Mestrado em educação (2018) pela Universidade Federal do Oeste do Pará - UFOPA. Estudante de Doutorado em Educação na Amazônia. Tem experiência na área da Educação, com ênfase na área de Planejamento administrativo e Educacional. Atua também com atividades (cursos, minicursos, palestras e oficinas) e pesquisas em Educação Infantil, principalmente, nos seguintes temas e subtemas: o processo de humanização da criança na perspectiva da Teoria Histórico-Cultural; Educação infantil do campo- vivências de crianças ribeirinhas; formação de professores da Educação Infantil e interações estabelecidas entre o professor de Educação Infantil e as crianças. É membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Infantil (GEPEI) da Universidade Federal do Oeste do Pará, sob coordenação da Profª. Dra. Sinara Almeida da Costa.

Sinara Almeida da Costa, Universidade Federal do Oeste do Pará- UFOPA

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Federal do Ceará-UFC (2001), Mestrado (2007) e Doutorado (2011) em Educação pala UFC. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Infantil, atuando principalmente nos seguintes temas: qualidade na Educação Infantil, o cotidiano da Educação Infantil, formação de professores da Educação Infantil e interações estabelecidas entre o professor de Educação Infantil e as crianças.

Referências

BISSOLI, Michelle de Freitas. Educação e desenvolvimento da personalidade da criança: contribuições da Teoria Histórico-Cultural.Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2005.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Brasília, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.me.gov.br/8versaofinalsite.pdf. Acesso em: 10 abr. 2023.

BRASIL. Resolução CNE/CEB nº. 5, de 17 de dezembro de 2009. Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Ministério da Educação/Conselho Nacional de Educação. Brasília, DF, 2009.

ELKONIN, D. B. Sobre el problema dela periodizacion del desarrollo psíquico em la infância. In: DAVIDOV, V.; SHUARE, M. (Org.) La psicologia evolutiva e psicologia em la URSS (Antologia). Moscou: Prohresso,1987.

FRAXE, T. J. P. Cultura Cabocla-Ribeirinha: mitos, lendas e transculturalidade. São Paulo: Annablume, 2004.

GÓES, M. C. R. de. A abordagem microgenética na matriz histórico-cultural: uma perspectiva para o estudo da constituição da subjetividade. Cad. CEDES [online]. 2000, vol.20, n.50, pp.9-25. ISSN 0101-3262. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-32622000000100002. Acesso em: 10 abr. 2023.

LEONTIEV, A. N. Uma contribuição à teoria da psique infantil. In: VIGOTSKII, L. S, LURIA, A. R., LEONTIEV, A. N. Linguagem, desenvolvimento, aprendizagem. São Paulo: Ícone, 2012a, p. 59-83

LEONTIEV, A. N. princípios psicológicos da brincadeira pré-escolar. In: VIGOTSKI, L. S., LURIA, A. R., LEONTIEV, A. N. (Orgs.). Linguagem, desenvolvimento, aprendizagem. São Paulo: Ícone, 2012b, p.119 -149.

LEONTIEV. A. N. O desenvolvimento do psiquismo. Lisboa: Livros Horizonte, 1978.

LIMA, G. A. A brincadeira de faz-de-conta de papéis sociais e a constituição da personalidade das crianças na pré-escola. 2018. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Oeste do Pará, Santarém, 2018.

MARCOLINO, S. A mediação pedagógica da brincadeira na educação infantil para o desenvolvimento pedagógico da brincadeira de papéis sociais. 247 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Unesp, Marólia,2013.

MELLO, S. A. Contribuições de Vigotski para a educação infantil. In: MENDOÇA, S. G. L.; MILLER, S. (Orgs.). Vigotski e a escola atual: fundamentos teóricos e implicações pedagógicas. Araraquara, SP: Junqueira & Marin, 2010. p.193-202.

MELLO, S. A. Infância e Humanização: Algumas considerações na perspectiva histórico – cultural. Perspectiva, Florianópolis, v. 25, n. 1, p. 83-104, jan./jun. 2007.

MELLO, S. A. Teoria histórico-cultural e educação infantil: concepções para orientar o pensar e o agir docente. In: COSTA, S. A. da; MELLO, S. A. (Orgs.). Teoria histórico-cultural na educação infantil: conversando com professoras e professores. Curitiba: CRV, 2017. p. 29-39.

POJO, E.; LOUREIRO, J. P. Lazer na ilha do Combu. Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação – UFPA: Belém, 2011.

PRESTES, Z. R. Quando não é quase a mesma coisa: traduções de Lev Semionovitch Vigotski no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2012.

SILVA, A. P. S. da; PASUCH, J. Orientações Curriculares Nacionais para a Educação Infantil do Campo. In: I Seminário Nacional: Currículo em Movimento - Perspectivas Atuais, 2010, Belo Horizonte. Anais [...], 2010.

SILVA, A. P. S. da; PASUCH, J.; SILVA, J. B. da. Educação Infantil do campo. São Paulo: Cortez, 2012.

TEIXEIRA, S. R. S. A construção de significados nas brincadeiras de faz-de-conta por crianças de uma turma de educação infantil ribeirinha da Amazônia. 2009. 294f.Tese (Doutorado em Psicologia) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Pós-Graduação em Teoria e Pesquisa do Comportamento, Universidade Federal do Pará, Belém, 2009.

TEIXEIRA, S. R. S. A relação cultura e subjetividade nas brincadeiras de faz de conta de crianças ribeirinhas da Amazônia. 36, 2013, Goiânia. Anais [...] Reunião Anual da Anped. Sistema Nacional de Educação e Participação Popular: Desafios para as Políticas Educacionais. Goiânia: Anped, 2013.

TEIXEIRA, S. R. S.; BARCA, A. P. de A. Teoria histórico-cultural e educação infantil: concepções para orientar o pensar e o agir docente. In: COSTA, S. A. da; MELLO, S. A. (Orgs.). Teoria histórico-cultural na educação infantil: conversando com professoras e professores. Curitiba: CRV, 2017, p. 29-39.

TEIXEIRA, S. R. S.; BARCA, A. P. de A. O conceito de meio social educativo em Vigotski e seu significado para a educação escolar. 2018. No prelo.

TEIXEIRA, S. R. S.; ALVES, J. M. O contexto das brincadeiras das crianças ribeirinhas da Ilha do Combu. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 21, n. 3, p. 374 -382, 2008.

TUNES, E.; TUNES, G. O adulto, a criança e a brincadeira. Em Aberto, Brasília, v. 18, n. 73, p. 78-88, jul. 2001

VASCONCELOS, J. S. A. de. Vivências de Crianças Ribeirinhas da Amazônia e seu processo de humanização na creche. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Oeste do Pará, Instituto de Ciências da Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Santarém, 2018.

VIGOTSKI, L. S. Psicologia pedagógica. Porto Alegre: Artmed, 2003.

VIGOTSKI, L. S. Imaginação e criação na infância: ensaio psicológico: livro para professores. Trad. Zoia Prestes. São Paulo: Ática, 2009b.

VIGOTSKI, L. S. A contração do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2008a.

VIGOTSKI, L. S. Sete aulas de L.S. Vigotski sobre os fundamentos da pedologia. Organização e tradução: Zoia Prestes, Elisabeth Tunes, Cláudia da Costa Guimarães Santana. 1 ed. Rio de Janeiro: E-Papers, 2018.

Publicado

07-03-2024

Como Citar

ALMEIDA DE VASCONCELOS, J. S.; ALMEIDA DA COSTA, S. . Infâncias e crianças ribeirinhas da Amazônia paraense: brincadeiras reveladas no seu cotidiano como elemento da organização do meio social educativo na educação infantil. Revista Amazônida: Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Amazonas, [S. l.], v. 9, n. 1, p. 1–23, 2024. DOI: 10.29280/rappge.v9i1.12231. Disponível em: //www.periodicos.ufam.edu.br/index.php/amazonida/article/view/12231. Acesso em: 27 maio. 2024.