Educação e rap no Brasil

Autores

  • João Matheus Siqueira de Barros Universidade de Brasília – UnB
  • Breitner Luiz Tavares Universidade de Brasília - UnB

DOI:

https://doi.org/10.29280/rappge.v8i1.13502

Palavras-chave:

Educação, RAP, Ensino

Resumo

A temática educacional é pesquisada de múltiplas formas em território internacional e nacional. Entretanto, com um viés interdisciplinar, o presente trabalho buscou analisar as produções acadêmicas brasileiras que correlacionam a música, em específico o rap, com o ensino, a fim de dar início à pesquisa de dissertação que pretende trabalhar o ensino de história utilizando-se do rap como ferramenta de ensino. A metodologia utilizada para mapear as produções foi de revisão sistemática, a partir do mapeamento na base de dados “Scopus”. Com isso, observaram-se aspectos comuns e específicos nos trabalhos, o uso de músicas antigas, consideradas clássicos do rap, além da necessidade de uma historicização mais abrangente sobre esse gênero musical. Por fim, concluiu-se, através do resultado de trabalhos empíricos, que o rap pode ser uma importante ferramenta no processo de ensino-aprendizagem.

Biografia do Autor

João Matheus Siqueira de Barros , Universidade de Brasília – UnB

Mestrando em Desenvolvimento, Sociedade e Cooperação Internacional (PPGDSCI/UNB). Possui graduação em História pela Universidade Federal de Catalão (UFCat). 

Breitner Luiz Tavares, Universidade de Brasília - UnB

Possui Graduação em licenciatura em ciências sociais, bacharelado, mestrado e doutorado em sociologia pela Universidade de Brasília (UnB). Atualmente, professor associado na Universidade de Brasília, Campus Ceilândia, no curso de Saúde Coletiva. O pesquisador é membro do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento, Sociedade e Cooperação Internacional (PPGDSCI/UNB). 

Referências

ABUD, Katia Maria. Registro e representação do cotidiano: a música popular na aula de história. Cadernos CEDES, Campinas, v. 25, n. 67, p. 312, set./dez. 2005

AMARAL, M. G. T. do. Expressões estéticas contemporâneas de resistência da juventude urbana e a luta por reconhecimento: uma leitura a partir de Nietzsche e Axel Honneth. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, [S. l.], n. 56, p. 73-100, 2013. DOI: 10.11606/issn.2316-901X.v0i56p73-100. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rieb/article/view/68804. Acesso em: 8 dez. 2022.

AMORIM FEITOSA. Sobre o uso de materiais “extra-acadêmicos” no ensino de filosofia: uma abordagem possível da obra Antígona em conjunto com a música “Vida Loka parte 2” do grupo racionais MC”s. PÓLEMOS – Revista de Estudantes de Filosofia da Universidade de Brasília, [S. l.], v. 5, n. 9-10, p. 19–26, 2017. DOI: 10.26512/pl.v5i9-10.11706. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/polemos/article/view/11706. Acesso em: 30 nov. 2022.

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Ensino de História: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2004.

DAYRELL, J. O rap e o funk na socialização da juventude . Educação e Pesquisa, [S. l.], v. 28, n. 1, p. 117-136, 2002. DOI: 10.1590/S1517-97022002000100009. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/ep/article/view/27880. Acesso em: 7 dez. 2022.

FONSECA, A. S. A. da. Com que currículo eu vou pro rap que você me convidou?. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, [S. l.], n. 62, p. 91-111, 2015. DOI: 10.11606/issn.2316-901X.v0i62p91-111. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rieb/article/view/107218. Acesso em: 6 dez. 2022.]

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa - São Paulo: Paz e Terra 1996.

GALVÃO, T. F., PANSANI, T. D. S. A.; HARRAD, D. (2015). Principais itens para relatar revisões sistemáticas e meta-análises: a recomendação prisma. Epistemologia e serviços de saúde, 24, 335-342.

GANHOR, J. P. O Rap na Educação Científica e Tecnológica. Ciência educ., Bauru, v. 25, n. 1, p. 163-180, Jan. 2019. Disponível em <http://educa.fcc.org.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-73132019000100163&lng=es&nrm=iso>. Acessado em: 04 dez. 2022.

MACEDO, I., FIUZA, A. F. A educação informal e o rap como agente educativo. EccoS–Revista Científica, n. 31, p. 17-32, 2013.

MACHADO, E. C.; PRADO, G. M. O rap como elemento desencadeador de informação e conhecimento. Informação & Sociedade: Estudos, [S. l.], v. 20, n. 1, 2010. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/ies/article/view/4011. Acesso em: 1 dez. 2022.

MOREIRA, M. Ãngelo. Rap como prática de letramento: representação discursiva de alunos/ adolescentes de Santa Maria/DF sobre a vivência nas ruas. Cadernos de Linguagem e Sociedade, [S. l.], v. 14, p. 234–256, 2013. DOI: 10.26512/les.v14i0.21976. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/les/article/view/21976. Acesso em: 6 dez. 2022.

POMBO, O. Epistemologia da interdisciplinaridade. Ideação, [S. l.], v. 10, n. 1, p. 9-40, 2010.

RÜSEN, J. A razão histórica: teoria da história; fundamentos da ciência histórica. Brasília, DF: UNB, 2001.

SANTOS, M. dos; LEITE, T. P. “O rap é uma coisa que conecta, tá ligado?!”: ressignificando contextos de jovens em cumprimento de medida socioeducativa. Revista Labor, v. 1, n. 17, p. 42-61, 31 jul. 2017.

SILVA, R. A. L. da; SOUTO, B. F. RAPensando a formação docente: experiências e reflexões sobre o uso do RAP no ensino de história. Cadernos de Pesquisa do CDHIS, [S. l.], v. 31, n. 1, 2018. DOI: 10.14393/cdhis.v31n1.2018.46421. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/cdhis/article/view/46421. Acesso em: 30 nov. 2022.

SOARES, Olavo Pereira. A música nas aulas de história: o debate teórico sobre as metodologias de ensino. Revista História Hoje, v. 6, n. 11, p. 78-99, 2017

Publicado

2023-12-30

Como Citar

SIQUEIRA DE BARROS , J. M.; LUIZ TAVARES, B. Educação e rap no Brasil. Revista Amazônida: Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Amazonas, [S. l.], v. 8, n. 1, 2023. DOI: 10.29280/rappge.v8i1.13502. Disponível em: https://www.periodicos.ufam.edu.br/index.php/amazonida/article/view/13502. Acesso em: 20 abr. 2024.