Jacundá, toré e bate-pau: danças da cultura indígena tematizadas na educação física escolar

Autores

  • Nathália Inêz de Morais Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais- IFMG ARCOS
  • Ricael Spirandeli Rocha Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais- IFMG ARCOS

DOI:

https://doi.org/10.29280/rappge.v8i1.12675

Palavras-chave:

Educação Física, Danças Indígenas, Valorização Cultural, Intervenção Pedagógica, Povos Originários

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo expor e discutir uma proposta de ensino para a educação física escolar que considera a importância do conteúdo dança, através da tematização de três danças indígenas: Jacundá, Toré e Bate-Pau. O relato de experiência é baseado em uma proposta de ensino elaborada especificamente para o 4º ano do Ensino Fundamental I, que faz parte dos anos iniciais da educação básica. Foram realizadas intervenções pedagógicas teórico-práticas, com o intuito de tornar as aulas de educação física sobre as danças indígenas mais significativas, valorizando essas expressões da cultura corporal indígena. Os resultados indicam que o processo avaliativo é fundamental para a reflexão sobre a prática pedagógica e para o acompanhamento do aprendizado de cada aluno. Portanto, é considerado relevante abordar essas manifestações da cultura corporal com respeito, reconhecendo e valorizando essas práticas, e evitando qualquer forma de discriminação.

Biografia do Autor

Nathália Inêz de Morais Silva, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais- IFMG ARCOS

Graduada no curso de Licenciatura em Educação Física pela Universidade Federal de São João Del-Rei. Experiência na área de Educação Física escolar. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa Interdisciplinar e Práticas Pedagógicas em Educação Física vinculado ao Departamento das Ciências da Educação Física e Saúde da Universidade Federal de São João del-Rei.

Ricael Spirandeli Rocha, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais- IFMG ARCOS

Docente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais (IFMG) - Campus Avançado Arcos; Especialista em Educação Profissional e Tecnológica Inclusiva; Mestre em Educação Tecnológica pelo Programa de Pós-Graduação em Educação Tecnológica do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro (PPGET-IFTM); Professor de Educação Básica de cursos técnicos pela Secretaria Estadual de Minas Gerais (SEE/MG). Integrante do grupo de pesquisa "GPETEC - Grupo de Pesquisa em Educação, Tecnologia e Ciências" na linha de pesquisa "Desenvolvimento de aplicativos tecnológicos e softwares educacionais" do IFTM Campus Uberlândia-Centro; Editor Adjunto da revista MultiAtual.

Referências

BANIWA, G. O índio brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2006.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil (1988). Brasília, DF: Senado Federal, 1988. Disponível em:<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm>.

BRASIL. Lei n. 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 10 de janeiro de 2003. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/L10.639.htm>.

CASCUDO, L. C. Dicionário de Folclore Brasileiro. 11. ed. Rio de Janeiro, Editora Global, 2002.

CATIB, N.O.M. Os ritos das danças Xondaro e do terreiro da aldeia Guarani M’bya – Aguapeú e das danças circulares. Dissertação (mestrado) - PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA MOTRICIDADE PEDAGOGIA DA MOTRICIDADE HUMANA ESTADOS EMOCIONAIS E MOVIMENTO. UNESP - Rio Claro, 2010.

DARIDO, Suraya Cristina. Educação física na escola: conteúdos, suas dimensões e significados. In: UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. Prograd. Caderno de formação: formação de professores didática geral. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2012. p. 51-75, v. 16.

DARIDO, S. C.; RANGEL, I. C. A. Educação Física na escola: implicações para a prática pedagógica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005.

FIORIN, J. L. A construção da identidade nacional brasileira. BAKHTINIANA, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 115-126, 1o sem. 2009

GASPAR, Lúcia. Danças indígenas do Brasil. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/>. Acesso em: maio/junho de 2023.

GROLLMUS, N. S.; TARRÈS, J. P. Relatos metodológicos: difractando experiências narrativas de investigación. Fórum Qualitative Social Research, Berlim, v. 16, n. 2, p. 1-24, mayo 2015.

GUIMARÃES, Denise; IMPOLCETTO, Fernanda Moreto. Danças indígenas na educação física escolar: elaboração de material didático em formato de aplicativo. Corpoconsciência, v. 25, n. 2, p. 35-52, mai./ ago., 2021

JESUS, N. T. Kohixoti-Kipaé, a dança da ema: memória, resistência e cotidiano Terena. 2007. 132 f. Dissertação (Mestrado). Universidade Nacional de Brasília.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2001.

MÜLLER, Regina Polo. Ritual e performance nas artes indígenas. Rev. do Museu de Arqueologia e Etnologia, São Paulo, Suplemento 7, 2008.

NANNI, D. Dança educação: princípios métodos e técnicas. 2.ed. Rio de Janeiro: SPRINT, 1998. p.8.

PEREIRA, S. R. C. et al. Dança na escola: desenvolvendo a emoção e o pensamento. Revista Kinesis, Porto Alegre, v.2, n. 25, p.60-61, 2001.

VARGAS, L.A. A dança na escola. Revista Cinergis, Santa Cruz do Sul, v.4, n.1,p.9-13, jan/jun., 2003.

Publicado

09-10-2023

Como Citar

INÊZ DE MORAIS SILVA, N.; SPIRANDELI ROCHA, R. Jacundá, toré e bate-pau: danças da cultura indígena tematizadas na educação física escolar . Revista Amazônida: Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Amazonas, [S. l.], v. 8, n. 1, p. 1–14, 2023. DOI: 10.29280/rappge.v8i1.12675. Disponível em: //www.periodicos.ufam.edu.br/index.php/amazonida/article/view/12675. Acesso em: 19 maio. 2024.