Um estudo das práticas de ensino-aprendizagem de língua portuguesa para alunos surdos em uma escola estadual inclusiva de Manaus

Autores

  • Glória Alegria Coêlho de Sá Secretária de Estado de Educação e Desporto - SEDUC/AM
  • Grace dos Anjos Freire Bandeira Universidade Federal do Amazonas - UFAM

DOI:

https://doi.org/10.29280/rappge.v8i1.12395

Palavras-chave:

Ensino-aprendizagem de língua portuguesa, Escola estadual inclusiva, Alunos surdos

Resumo

A presente investigação analisou as práticas de ensino-aprendizagem de língua portuguesa para alunos surdos em uma escola estadual inclusiva gerenciada pela Seduc/AM na cidade de Manaus/AM. Fundamentado na teoria do Interacionismo aplicada ao ensino de língua portuguesa para surdos, conforme, fundamentalmente, em Figueiredo (2019), Salles et al. (2004), e considerando também o que está disposto na Lei n. 10.436, de 24 de abril de 2002 (BRASIL, 2002), e no Decreto n. 5.626, de 22 de dezembro de 2005 (BRASIL, 2005), sobre o ensino de línguas – Libras e Língua Portuguesa – na escola inclusiva, este estudo buscou, como objetivos específicos: investigar as práticas de ensino-aprendizagem na perspectiva do professor de língua portuguesa; identificar as dificuldades enfrentadas pelo docente para ensinar esses alunos; e refletir sobre o papel de outros agentes escolares no processo de ensino-aprendizagem do aluno surdo na escola inclusiva. De natureza qualitativa e método estudo de caso (OLIVEIRA, 2012), os questionários aplicados (MARCONI; LAKATOS, 2003) aos professores de língua portuguesa e aos agentes escolares revelaram que os docentes, embora enfrentem dificuldades no que se relaciona ao ensino-aprendizagem da língua portuguesa em sala de aula, procuram utilizar estratégias diversas para solucioná-las, e que a mediação nas aulas de língua portuguesa aos alunos surdos acontece, sobretudo, pelos tradutores intérpretes.

Biografia do Autor

Glória Alegria Coêlho de Sá, Secretária de Estado de Educação e Desporto - SEDUC/AM

Mestra em Estudos da Linguagem pelo Programa de Pós-Graduação em Letras (PPGL-UFAM, 2022). Especialista em Metodologia do Ensino de Língua Portuguesa e suas Literaturas (UEA, 2016). Graduada em Letras - Língua e Literatura Portuguesa (2012) e Língua e Literatura Francesa (2008) ambas pela UFAM. Tem experiência como Professora de Francês. É Professora de Língua Portuguesa da Secretaria de Estado de Educação e Desporto (SEDUC/AM) desde 2013, atuando no Ensino Fundamental II e Educação de Jovens e Adultos (EJA). Integra, atualmente como bolsista, o subprojeto de Língua Francesa do Programa de Residência Pedagógica/UFAM na modalidade de Preceptora, orientando alunos de graduação do curso de Letras - Língua Francesa na Escola Estadual de Tempo Integral Elisa Bessa Freire. Pesquisa os seguintes temas: ensino-aprendizagem de língua portuguesa, língua francesa e inclusão.

Grace dos Anjos Freire Bandeira, Universidade Federal do Amazonas - UFAM

Estágio Pós-Doutoral em Linguística Portuguesa pela Universidade de Coimbra, Portugal. Doutora em Letras pela Universidade Federal do Paraná, Brasil. Professora Associada de Língua e Literatura Latina da Faculdade de Letras da Universidade Federal do Amazonas, onde leciona, em nível de graduação, disciplinas pertinentes à História do Português, ao Latim Clássico e à Literatura Latina. Coordenadora do Projeto de Pesquisa Cartas dos séculos XIX e XX: organização de um corpus diacrônico do português registrado no Amazonas no período áureo da borracha e membro efetivo do Programa de Pós-Graduação em Letras da UFAM. Ocupa-se, especialmente, de pesquisas de natureza diacrônica e de estudos de descrição do português brasileiro, como os relacionados ao pronome reflexivo “se".

Referências

AMAZONAS. Regimento Geral das Escolas da Rede Estadual de Ensino do Amazonas – Capital e Interior. Manaus: SEDUC/AM, 2020. Disponível em: <https://drive.google.com/file/d/186eH3tOWdF46CcnREzQXv1cjIFcRm8N_/view>. Acesso em: 20 dezembro 2021.

BARDIN, Laurence. (1977). Análise de Conteúdo. Tradução Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. 3. ed. São Paulo: Edições 70, 2016.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Brasília, MEC/CONSED/UNDIME, 2018. Disponível em:<http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf>. Acesso em: 02 setembro 2019.

BRASIL. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Brasília, DF: Presidência da República, 2005. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/D5626.htm. Acesso em: 6 agosto 2019.

BRASIL. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais. Brasília, DF: Presidência da República, 2002. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm>. Acesso em: 6 agosto 2019.

CAMPOS, Mariana. de Lima. Isaac. Leandro. Educação Inclusiva para surdos e as políticas vigentes. In: LACERDA, Cristina. Broglia. Feitosa de; SANTOS, Lara. Ferreira. (org.). Tenho um aluno surdo, e agora? Introdução à Libras e educação de surdos. 1. ed. São Paulo: EduFSCar, 2018, p. 37-61.

DECLARAÇÃO DE SALAMANCA: Sobre princípios, políticas e práticas na área das necessidades educativas especiais. Salamanca, Espanha. 1994. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf>. Acesso em: 15 outubro 2020.

DIAS JUNIOR, Jurandir Ferreira. Ensino da língua portuguesa para surdos: contornos de práticas bilíngues. 2010. 113 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Linguagem) – Universidade Católica de Pernambuco, Recife, 2010.

FARIAS, Francisca. Neuza. Almeida. As Práticas de professores de língua portuguesa com alunos surdos no ensino básico: uma pesquisa ação. 2017. 147 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Piauí, Teresina, 2017.

FERNANDES, Sueli. Avaliação em língua portuguesa para alunos surdos: algumas considerações. Curitiba: SEED/SUED/DEE, 2007.

FERNANDES, Sueli de Fátima. Educação bilíngue para surdos: identidades, diferenças, contradições e mistérios. 2003. 213 f. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2003.

FERREIRA, Windyz. Brazão. Educação Inclusiva: Será que sou a favor ou contra uma escola de qualidade para todos??? Revista da educação especial. Brasília, n. 1, p. 40-46, out., 2005. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/pec-g/192-secretarias-112877938/seesp-esducacao-especial-2091755988/12626-revista-inclusao-nd1>. Acesso em: 27 setembro 2020.

FIGUEIREDO, Francisco. José. Quaresma de. Vygotsky: a interação no ensino/aprendizagem de línguas. 1. ed. São Paulo: Parábola, 2019.

GOMES, Jannine. da Cunha. Educação inclusiva: quem se responsabiliza? 1. ed. Curitiba, Appris, 2018.

LACERDA, C. B. F. A inclusão escolar de alunos surdos: o que dizem alunos, professores e intérpretes sobre esta experiência. Cad. Cedes, Campinas, n. 69, p. 163-184, mai./ago., 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0101-32622006000200004&Ing=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 20 fev. 2020.

LACERDA, Cristina. Broglia. Feitosa de.; SANTOS, Lara. Ferreira dos.; CAETANO, Juliana. Fonseca. Estratégias metodológicas para o ensino de alunos surdos. In: LACERDA, Cristina. Broglia. Feitosa de.; SANTOS, Lara. Ferreira dos. (org.). Tenho um aluno surdo, e agora? 1. ed. São Paulo: EduFSCar, 2018, p. 37-61.

MARCONI, Marina de Andrade.; LAKATOS, Eva. Maria. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MEDEIROS, Daniela.; GRÄFF, Patrícia. Bilinguismo: Uma proposta para surdos e ouvintes. Revista de Educação do IDEAU. v. 7, n. 16, julho - dezembro 2012, Semestral. Disponível em: <http://www.ideau.com.br/getulio/restrito/upload/revistasartigos/38_1.pdf.> Acesso em: 21 setembro 2015.

MONTEIRO, Marta. de Faria. e Cunha. Representações de professores de inglês em serviço sobre a abordagem instrumental: um estudo de caso. 2009. 93 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem) – Departamento de Linguística, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2009.

MOURA, Maria. Cecilia de. Atendimento educacional especializado: estudante surdo – reflexões sobre a identidade, cultura e comunidade. In: GIROTO, Claudia. Regina. Mosca.; MARTINS, Sandra. Eli. Sartoreto. de Oliveira.; BERBERIAN, Ana. Paula. (org.). Surdez e educação inclusiva. Marília: Cultura acadêmica, 2012, p. 97-117.

OLIVEIRA, Maria. Marly. Como fazer pesquisa qualitativa. 4. ed. Rio de Janeiro: Petrópolis, 2012.

PEREIRA, Maria. Cristina. da Cunha. O ensino de português como segunda língua para surdos: Princípios teóricos e metodológicos. Educar em revista. n. 2, p. 143-157, 2014. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/er/nspe-2/11.pdf>. Acesso em: 26 março 2020.

QUADROS, Ronice. Müller de.; SCHMIEDT, Magali. Ideias para ensinar português para alunos surdos. Brasília: MEC/SEESP, 2006.

RICHARDS, Jack.; RODGERS, Theodore. Approaches and methods in language teaching: a description and analysis. Cambridge: Cambridge University Press, 1986.

RODRIGUES, Suelem. Maquiné. Professores de língua portuguesa e alunos surdos do ensino médio integrado do IFAM/CMC: considerações acerca do processo inclusivo. 2020. 134 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino Tecnológico) – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas, Campus Manaus Centro, 2020.

SALLES, H; FAULSTICHET, E; CARVALHO, O; RAMOS, A. Ensino de língua portuguesa para surdos: caminhos para a prática pedagógica. Brasília, MEC/SEESP, 2004, v. 1 [139 p.].

SÁNCHEZ, Pilar. Arnaiz. A educação inclusiva: um meio de construir escolas para todos no século XXI. Revista da educação especial. Brasília, n. 1, p. 7-18, out., 2005. Disponível em:<http://portal.mec.gov.br/pec-g/192-secretarias-112877938/seesp-esducacao-especial-2091755988/12626-revista-inclusao-nd1>. Acesso em: 27 setembro 2020.

SANTOS, Gislaine dos. O ensino de língua portuguesa na modalidade escrita para o aluno surdo. Revista Diálogos. v. 4, n. 2, p. 203-223, 2016. Disponível em:. Acesso em: 26 março 2020.

SASSAKI, Romeu. Kazumi. Inclusão: paradigma do século XXI. Revista da educação especial. Brasília, n. 1, p. 19-23, out., 2005. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/pec-g/192-secretarias-112877938/seesp-esducacao-especial-2091755988/12626-revista-inclusao-nd1>. Acesso em: 27 setembro 2020.

SILVA, Wellington. Jhonner. Divino. Barbosa da. Práticas de ensino de língua portuguesa escrita como segunda língua para surdos. 2016. 129 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Unidade Acadêmica Especial de Educação, Universidade Federal de Goiás Regional Catalão, Goiânia, 2016.

SIQUEIRA, Ariela. Soraya. do Nascimento. Surdez, linguagem e educação: quem ouve o sujeito surdo? 2015. 137 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2015.

VYGOTSKY, Lev. Semyonovich. (1984) A formação social da mente. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

Publicado

22-12-2023

Como Citar

COÊLHO DE SÁ, G. A.; BANDEIRA, G. dos A. F. Um estudo das práticas de ensino-aprendizagem de língua portuguesa para alunos surdos em uma escola estadual inclusiva de Manaus. Revista Amazônida: Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Amazonas, [S. l.], v. 8, n. 1, p. 1–23, 2023. DOI: 10.29280/rappge.v8i1.12395. Disponível em: //www.periodicos.ufam.edu.br/index.php/amazonida/article/view/12395. Acesso em: 29 maio. 2024.