Educação de jovens e adultos

Considerações acerca da formação docente, programas e metodologias

Autores

  • Breno Henrique Bianco Zanoni Universidade Federal do Paraná
  • Eliana Lisboa Universidade Federal do Paraná
  • Raquel Speck

DOI:

https://doi.org/10.29280/rappge.v7i01.10786

Palavras-chave:

Educação de Jovens e Adultos, Formação Docente, Políticas Públicas

Resumo

Neste artigo objetiva-se analisar o contexto deficitário das políticas públicas específicas para a modalidade de Educação de Jovens e Adultos (EJA) e os problemas decorrentes para sua organização e funcionamento. Ao longo do texto problematizam-se questões recorrentes como as lacunas na formação docente e a carência de práticas pedagógicas apropriadas à especificidade da área. Discutem-se os impactos destas lacunas para a formação dos alunos e consequentemente para o cumprimento da função social prevista em lei para a modalidade, isto é, a de garantir o direito à educação àqueles que não tiveram acesso durante a sua infância e adolescência. Finaliza-se apontando para a necessidade de priorizar investimentos e se construir uma identidade metodológica e curricular para a EJA.

Biografia do Autor

Eliana Lisboa, Universidade Federal do Paraná

Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal do Maranhão, mestrado em Educação pela Universidade de Minho- Braga- Portugal, doutorado em Ciência da Educação, Área de Especialização em Tecnologia Educativa pela Universidade de Minho- Braga- Portugal, Líder do grupo de pesquisa Computação e Tecnologias Digitais na Educação. É professora adjunta da Universidade Federal do Paraná- Setor Palotina e professora do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências, Educação Matemática e Tecnologias Educativas em nível de mestrado- UFPR

Raquel Speck

Licenciada  em  Pedagogia  pela  Universidade  Estadual  do  Oeste  do  Paraná  (UNIOESTE), Mestre em Educação pela UNIOESTE, Doutora  em  Educação  pela  Universidade  Estadual  de  Maringá  (UEM), Membro  do  Grupo  de  estudos  e pesquisa   em   Estado,   Políticas   Educacionais   e   Infância   (GEPPEIN).   Docente   na   Universidade   Federal   do   Paraná (UFPR/Setor Palotina), lotada no Departamento de Educação, Ensino e Ciências (DEC).

Referências

FIA. BUSINESS SCHOOL, Andragogia O que é, Objetivos e Técnicas., 2019. Disponível em: < https://fia.com.br/blog/andragogia/>. Acesso em: 14 jul. 2022

ALMEIDA, N. R. O; FONTENELE, I.S; FREITAS, A.C.S. Paulo Freire e a Educação de Jovens e Adultos (EJA). Ensino em Perspectivas, Fortaleza, v. 2, n. 1, p. 1-11, jan, 2021.Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/ensinoemperspectivas/article/view/6151.

ARROYO, M. Formar educadoras e educadores de jovens e adultos. In: SOARES, L. (org.) Formação de educadores de jovens e adultos. Belo Horizonte: Autêntica/ SECAD, 2006. Disponível em: http://forumeja.org.br/un/files/Formacao_de_educadores_de_jovens_e_adultos_.pdf.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Presidência da República, Poder Executivo, Brasília, DF, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução nº 1, de 5 de julho de 2000. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos. Brasília, 2000. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CEB012000.pdf.

Parecer CNE/CEB n. 11/2000, de 10 de maio de 2000. Dispõe sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos. Conselho nacional de Educação, Ministério da Educação, Poder Executivo, Brasília, DF, 2000. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/PCB11_2000.pdf.

CNE/CP. Parecer nº 09/2001, de 8 de maio de 2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial da União, MEC/CNE, Brasília, 18 jan. 2002, Seção 1, p. 31. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/009.pdf.

CNE/CES. Parecer nº 492/2001, de 3 de abril de 2001. Diretrizes Curriculares Nacionais dos cursos de Filosofia, História, Geografia, Serviço Social, Comunicação Social, Ciências Sociais, Letras, Biblioteconomia, Arquivologia e Museologia. Diário Oficial da União, MEC/CNE, Brasília, 9 jul. 2001a Seção 1 e, p. 50. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES0492.pdf.

CNE/CES. Parecer 1.301/2001, de 6 de novembro de 2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Graduação em Ciências Biológicas. Conselho nacional de Educação, Ministério da Educação, Poder Executivo, Brasília, DF, 2001c. Diário Oficial da União, MEC/CNE/CES, Brasília, 7 dez. 2001b Seção 1e, p. 25. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES1301.pdf.

CAMARGO, P. S. A. S. Representações Sociais de Docentes da EJA: afetividade e formação docente. Educação & Realidade, [S.I.], v. 42, n. 4, p. 1567-1589, 7 ago. 2017.

COOPER, M. K; HENSCHKE, J. A. Andragogy: The foundation for its theory, research and practice linkage. Proceedings of the Commission of Professors of Adult Education Annual Conference. Baltimore, MD. 2002.

CIAVATTA, M. A reconstrução histórica de trabalho e educação e a questão do currículo na formação integrada. In: CIAVATTA, M.; TIRIBA, L. Trabalho e Educação de Jovens e Adultos. Brasília, Liber Livro e Editora UFF, 2011.

CIAVATTA, M; RUMMERT, S. M. As implicações políticas e pedagógicas do currículo na educação de jovens e adultos integrada à formação profissional. Educação & Sociedade, [S.l], v. 31, n. 111, p. 461-480, abr-jun 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/zvHV8zMqy3nXtL9N6jgJLKH/?format=pdf&lang=pt

DANIEL, M. D. C; GALANTE, J. F. R; FURTADO, J. A. P; SILVA, M. L; BATISTA, P. V. S; SOUZA, R. F; NUNES, A. S. A. N; MORAES, A. C. B. Contributions to the teaching process learning the practice of realistic simulariam: an sistematic review. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 14, p.1 -11 .2021.

FREIRE, P. The politics of education: culture, power, and liberation. Westport, CT: Bergin and Garvey, 1985. 209 p.

FREIRE, P. Conscientização: teoria e prática da libertação – uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. 4. ed. São Paulo: Moraes, 1980. 102 p.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra,1967.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 31. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2001. 184 p.

FRIEDRICH, M. et al. Trajetória da escolarização de jovens e adultos no Brasil: de plataformas de governo a propostas pedagógicas esvaziadas. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, v. 18, n. 67, p. 389-410, 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ensaio/a/VCpG4Tr5KBvNkfdXj5ShtZG/?lang=pt.

GONÇALVES, K. M. S. Estado do conhecimento sobre formação de professores para educação de jovens e adultos no Brasil (2000 –2014). Dissertação, Universidade da Cidade de São Paulo (UNICID), São Paulo –SP. 2015.

HSIU-LING, C; CHENG-TING, W. A digital role-playing game for learning: effects on critical thinking and motivation. Interactive Learning Environments. 2021.

KEARSLEY, G. Andragogy (M.Knowles). The theory Into practice database. 2010.

KNOWLES, M. Andragogy in Action. San Francisco: Jossey-Bass.1984.

LAFFIN, M. H. L. F. Formação Docente para a Educação de Jovens e Adultos: sujeitos, diversidade e o mundo do trabalho. In: LAFFIN, M.H.L.F. (org.) Educação de Jovens e

Adultos, Diversidade e o Mundo do Trabalho. Ijuí: UNIJUÍ, 2012.

LIMA MENDES, L; MAYERHOFER, A; HENRIQUE DOS SANTOS, M. Oficina sobre o uso do estudo de caso no ensino de ciências. Mostra de Extensão IFF - UENF - UFF - UFRRJ, [S. l.], v. 13, 2022.

MARTINS, F. I. B. B. Do currículo prescrito ao currículo em ação no PROEJA técnico: a (re)construção de um referencial curricular integrado para o IFRN. 2018. Tese (Doutorado em Ciência da Educação) - Universidade do Minho, Portugal, 2018.

MARQUEZ, N. A. G; GODOY, D. M. A. Políticas públicas para educação de jovens e adultos: em movimento e disputa. Revista de Educação Popular, Uberlândia, v. 19, n. 2, p. 25-42, 2020. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/reveducpop/article/view/51940.

MAURICIO, S. S; MARTINS JUNIOR, L; MARTINS, R. E. M. W. Para pensar e movimentar a formação docente na EJA: um mapeamento das produções acadêmicas entre o período 2015-2016. Práxis Educacional, [S.I.], v. 15, n. 33, p. 555-573, 2019.

OLIVEIRA, I. B. Reflexões acerca da organização curricular e das práticas pedagógicas na EJA. Educar em Revista, [S.l], n. 29, p. 83-100, 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/j/er/a/hFjkmDxbZLwGBdLx8R4XhgS/abstract/?lang=pt.

RUMMERT, S. M; ALGEBAILE, E; VENTURA, J. Educação da classe trabalhadora brasileira: expressão do desenvolvimento desigual e combinado. Revista Brasileira de Educação, [S.l], v. 18, n. 54, p. 717-738, 2013.

RUMMERT, S. M. A educação de jovens e adultos trabalhadores brasileiros no século XXI. O “novo” que reitera antiga destituição de direitos. Sísifo, [S.l], n. 2, p. 35-50/EN 35-50, 2016.

SERRA, E. et al. Interrogando o direito à educação: oferta e demanda por educação de jovens e adultos no estado do Rio de Janeiro. Crítica Educativa, [S.l], v. 3, n. 3, p. 25-41, 2018. Disponível em: https://www.criticaeducativa.ufscar.br/index.php/criticaeducativa/article/view/243.

SILVA, A. G. Professoras da EJA: efeitos de sentido dos discursos sobre a formação continuada. Dissertação Universidade Federal de Alagoas (UFAL), Maceió–AL. 2015.

SILVA, J. L. A (QUASE) invisibilidade da Educação deJovens e Adultos na Política Nacional de Alfabetização: marginalização e luta pelo direito à educação. Educação e Políticas em Debate, [S.L], v. 10, n. 2, p. 716-732, Mai 2021.

SOARES, L. Avanços e desafios na formação do educador de jovens e adultos. In: MACHADO, Maria Margarida (Org.). Formação de Educadores de Jovens e Adultos - II Seminário Nacional. Brasília: Secad/MEC, UNESCO, 2008. p. 57-71.

VENTURA, J. A EJA e os desafios da formação docente nas licenciaturas. Revista da FAEEBA-Educação e Contemporaneidade, [S.l], v. 21, n. 37, 2012.

VENTURA, J; BOMFIM, M.I. Formação de professores e educação de jovens e adultos: o formal e o real nas licenciaturas. Educação em Revista, [S.l], v. 31, p. 211-227, 2015.

ZANONI, B. H. B; VENTURI, T. Determinantes Sociais da saúde e sua influência na vida e evasão escolar de alunos EJA. In: Seminário Internacional de Educação em Ciências, Educação Matemática e Tecnologias Educativas. 1. 2021. Palotina. Anais [...], Palotina. [S.N]. 2021. p.46-50.

Publicado

26-03-2023

Como Citar

BIANCO ZANONI, B. H.; LISBOA, E.; SPECK, R. Educação de jovens e adultos : Considerações acerca da formação docente, programas e metodologias. Revista Amazônida: Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Amazonas, [S. l.], v. 7, n. 01, 2023. DOI: 10.29280/rappge.v7i01.10786. Disponível em: //www.periodicos.ufam.edu.br/index.php/amazonida/article/view/10786. Acesso em: 24 jul. 2024.