Avante juventude pataxó

Uma reflexão sobre participação e cidadania à luz da experiência dos jovens indígenas pataxó do sul da bahia

Autores

  • Altemar Felberg UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL DA BAHIA (UFSB)
  • Valéria Giannella Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB)

DOI:

https://doi.org/10.29327/217579.7.1-8

Palavras-chave:

Democracia, Participação, Cidadania, Povos Indígenas

Resumo

O objetivo deste artigo é refletir sobre as formas e desafios da participação da juventude indígena Pataxó, à luz dos limites do modelo de participação institucionalizado, visando detectar gramáticas e formas insurgentes, bem como novos caminhos voltados para a formação social e construção da cidadania participativa. Esse propósito é condicionado pelo atual contexto político, em que a participação popular não é mais tida como princípio legítimo de governo, mas como empecilho a ser reprimido e progressivamente eliminado. Diante de um governo declaradamente contrário às instâncias de participação, nos propomos a refletir sobre a questão em tela, observando o Conselho da Juventude Pataxó da Bahia (CONJUPAB) como referente empírico, a partir de uma etnografia performática em condição de pesquisa engajada/implicada como método de pesquisa. Reflexões e pesquisas recentes apontam um processo em curso entre atores integrantes de movimentos sociais os quais, diante da atual situação, reconsideram a história recente e voltam a se interrogar sobre as formas mais eficazes de mobilização e de interferência com os sistemas de decisão que lhes dizem respeito. Indagaremos aqui sob que aspectos a experiência dos jovens Pataxó configura-se como um produto de inovação democrático-participativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, Maria Regina Celestino de. Os índios na História do Brasil no século XIX: da invisibilidade ao protagonismo. Revista História Hoje, v. 1, no 2, p. 21-39 – 2012.

ALMEIDA, Maria Regina Celestino de. “Política indigenista e políticas indígenas no tempo das reformas pombalinas. In: Francisco Falcon, Cláudia Rodrigues (orgs.). A “Época Pombalina” no mundo luso-brasileiro. Rio de Janeiro, Ed. FGV, 2015, p. 175-213.

AVRITZER, Leonardo. Instituições participativas e desenho institucional: algumas considerações sobre a variação da participação no Brasil democrático. Revista Opinião Pública, Campinas, vol. 14, nº 1, Junho, 2008, pp. 43-64.

AVRITZER, Leonardo. Impasses da democracia no Brasil. 3ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016, 167 p.

BANIWA, Gersem. “A conquista da cidadania indígena e o fantasma da tutela no Brasil”. In: Alcida Rita Ramos (org.), Constituições nacionais e povos indígenas. Belo Horizonte, Ed. UFMG, 2012, p. 206-227.

BARTOLOMÉ, Miguel A. As Etnogêneses: velhos atores e novos papéis no cenário cultural e político. Mana 12(1): 39-68, Rio de Janeiro, 2006. Disponível on line. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-93132006000100002

BICALHO, Poliene dos Santos. Protagonismo indígena no Brasil: movimento, cidadania e direitos (1970-2009). Brasília, 2010. 468 f. Tese (Doutorado em História). Instituto de Ciências Humanas, Universidade de Brasília, Brasília, 2010. Disponível on line.

BOULLOSA, R. F. Mirando ao Revés as políticas públicas: o desenvolvimento de uma abordagem crítica e reflexiva para o estudo das políticas públicas. Publicações da Escola da AGU, Brasília, DF, p. 89-105, 2019. Série especial. Disponível em: https://seer.agu.gov.br/index.php/EAGU/article/download/2639/2129?msclkid=282f6efbba9d11eca9525116d4b5829e. Acesso em: 23 abr. 2021

BRINGEL, B.; MALDONADO, E. E. Pensamento Crítico Latino-Americano e Pesquisa Militante em Orlando Fals Borda: práxis, subversão e libertação. Direito & Práxis, Rio de Janeiro, v. 7, n. 13, p. 389-413, 2016. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistaceaju/article/view/21832. Acesso em: 1 jul. 2021

CEPAL (Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe). Os Povos Indígenas na América Latina: avanços da última década e desafios pendentes para a garantia de seus direitos. (LC/L.3893), Nações Unidas: Santiago do Chile, fevereiro de 2015.

DAGNINO, Evelina. Construção democrática, Neoliberalismo e Participação: os dilemas da confluência perversa. Politica & Sociedade, Florianópolis, v. 1, n.5, p. 137-161, 2004. Disponível em: < https://periodicos.ufsc.br/index.php/politica/article/view/1983/1732>. Acesso em: 3 abr. 2017.

DALLARI, Dalmo de Abreu. Direitos Humanos e Cidadania. São Paulo: Moderna, 1998.

ESCOREL, S. Reconhecer e superar os limites da participação institucionalizada. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 31, n. 10, p. 2059-2062, out. 2015. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2015001002059>. Acesso em: 30 jul. 2017.

GATTI, B. A. A pesquisa em mestrados profissionais. In: FÓRUM DE MESTRADOS PROFISSIONAIS EM EDUCAÇÃO, 1., 2014, Salvador. Anais [...]. Salvador: UNEB, 2014. p.

GIANNELLA, Valéria. Perspectivas e desafios da participação em tempos de crise democrática. Revista Nau Social, vol. 9, nº 16, 2018. Disponível online em http://www.periodicos.adm.ufba.br/index.php/rs. Acesso em 12 maio 2018.

HONNETH, Axel. Luta por Reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Ed. 34, 2003.

LAVALLE, Adrián Gurza. Após a participação: nota introdutória. Revista Lua Nova, São Paulo, 84: 13-23, CEDEC, 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ln/n84/a02n84.pdf>. Acesso em: 30 jul. 2017.

LAYRARGUES, Philippe Pomier. Do ecodesenvolvimento ao desenvolvimento sustentável: evolução de um conceito? Proposta, Rio de Janeiro, v. 24, n. 71, p. 1-5, fev. 1997.

LIMA, Antônio Carlos de Souza Lima. Sobre Tutela e Participação: povos indígenas e formas de governo no Brasil, Séculos XX/XXI. Mana 21(2): 425-457, 2015 – DOI http://dx.doi.org/10.1590/0104-93132015v21n2p425.

MACEDO, Severine. A partir de Lula, 12 anos da Política Nacional de Juventude: respeito pelos jovens e por seus direitos. 01/02/2017. Disponível em: . Acesso em: 30 jul. 2017.

MIRAFTAB, Faranak. Insurgência, planejamento e a perspectiva de um urbanismo humano. Rev. Bras. Estud. Urbanos Reg. (Online), Recife, V.18, N.3, P.363-377, Set.-Dez. 2016.

MPOG. Relatório participação social na administração pública federal: desafios e perspectivas para a criação de uma política nacional de participação. Projeto apoio Diálogos setoriais Europa Brasil, 2012.

NIEDERBERGER, Thomas; LÖÖV, Jacob Balzani. Nação de visionários: comunidades indígenas criam um Governo autônomo na Amazônia peruana. El país, 20 DEZ 2017 - 23:20 CET. Disponível on line

NOGUEIRA, Marco Aurélio. Sociedade civil, entre o político-estatal e o universo gerencial. São Paulo, Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. l8, n.52, jun.2003. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rbcsoc/v18n52/18072.pdf>. Acesso em: 3 abr. 2017.

PACHECO DE OLIVEIRA, João. Terras indígenas no Brasil: uma tentativa de abordagem sociológica. Boletim do Museu Nacional, n. 44: 1-28. Rio de Janeiro, 1983.

PACHECO DE OLIVEIRA, João. Uma etnologia dos “índios misturados”? Situação colonial, territorialização e fluxos culturais. Mana, Rio de Janeiro, n.4(1):47- 77, 1998.

PHILIPIS, Anne. De uma política das ideias a uma política da presença? Revista Estudos Feministas. Ano 9, 2º semestre de 2001, p. 268-290. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ref/v9n1/8615.pdf>. Acesso em: 9 nov. 2017.

POVO PATAXÓ. Inventário Cultural Pataxó: tradições do povo Pataxó do Extremo Sul da Bahia. Bahia: Atxohã / Instituto Tribos Jovens (ITJ), 2011, 112 pp.

SANTOS, B. de S. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, n. 63, out. 2002, p. 237-280. Disponível em: <http://www.boaventuradesousasantos.pt/media/pdfs/Sociologia_das_ausencias_RCCS63.PDF>. Acesso em: 03 nov. 2018

SECCHI, Darci. Autonomia e Protagonismo Indígena nas Políticas Públicas. In: JANUÁRIO, Elias; SELLERI, Fernando Silva; KARIN, Taisir Mahmudo (Orgs.) Cadernos de Educação Escolar Indígena - PROESI. Barra do Bugres: Ed. UNEMAT - Universidade do Estado do Mato Grosso, v. 5, n. 1, 2007.

SVIRSKY, M. Introduction: Beyond the Royal Science of Politics. In: ______ (Ed.). Deleuze Studies: Special Issue on Deleuze and Political Activism. Edinburgh: Edinburgh University Press, 2010. p. 1-6.

TATAGIBA, Luciana. Os Conselhos gestores e a democratização das políticas públicas no Brasil. Em DAGNINO, Evelina. Sociedade Civil e Espaços Públicos no Brasil, Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

TATAGIBA, Lucian. Participação, cultura política e modelo de gestão: a democracia gerencial e suas ambivalências. Tese (doutorado) Universidade Estadual de Campinas, 2003, 187p. Disponível on line.

TATAGIBA, Lucian. A institucionalização da participação: os conselhos municipais de políticas na cidade de São Paulo, in Leonardo Avritzer (ed.) A participação em São Paulo, São Paulo: UNESP, 2004.

WEBER, M. “Die drei reinen Typpen der legitimem Herrschaft.” In: Wirtschaft und Gesellschaft, 4ª edição, organizada e revisada por Johannes Winkelmann. Tubingen, J.C. B. Mohr (Paul Siebeck), 1956. v. II, p.551-58. Trd. Por Gabriel Cohn. In WEBER, Max. Sociologia. Coleção grandes cientistas sociais, n. 13. São Paulo: Ática, 1979.

ZIBECHI, Raúl. Insurreições silenciosas. La Jornada, 10-11-2017. Disponível em: < http://www.mercadosul.org/insurreicoes-silenciosas-artigo-de-raul-zibechi/

Downloads

Publicado

2022-12-19