Efeitos da abordagem fisioterapêutica na força muscular de pacientes com polineuropatia desmielinizante inflamatória crônica: relato de caso

Autores

  • Luiz Jonas Oliveira da Silva
  • Thaís Santana

Palavras-chave:

Polineuropatia, fisioterapia, facilitação neuromuscular proprioceptive.

Resumo

A Polineuropatia Desmielinizante Inflamatória Crônica (PDIC) é uma syndrome autoimune que tem como alvo a bainha de mielina do sistema nervoso periférico, geralmente simétrica, com fraqueza progressiva em membros inferiores e superiores. O objetivo deste trabalho foi verificar a eficácia da fisioterapia motora no ganho da força muscular, através de um relato de caso de um paciente com diagnóstico de PDIC internado no Hospital Universitário Getúlio Vargas. As sessões fisioterapêuticas foram realizadas cinco vezes por semana, com duração de 45 minutos, durante quatro meses realizando cinesioterapia (passiva, ativo - assistida e ativa) e técnicas de facilitação neuromuscular proprioceptiva (FNP). Ao final do plano de reabilitação foi verificado um grau maior da força muscular em membros inferiores, principalmente na musculatura extensora e flexora de quadril. Conclui-se que um programa de tratamento fisioterapêutico envolvendo as técnicas de cinesioterapia e de FNP pode levar a um ganho e manutenção da força muscular.

Referências

1 Taylor T. Chronic Inflammatory Demyelinating Polyradiculoneuropathy: in a remote northern Ontario Hospital. Canadian Family Physician. Le Médicin de famillecanadien. Vol. 59, April, 2013;
2 Bright R,Wilkison J, Coventry BJ. Therapeutic options for chronic inflammatory demyelinating polyradiculoneuropathy: a systematic review. BMC Neurology, 2014, 14:26.
3 Basseti BM, Trés ES, Ciríaco JGM, Neto LFSP. Polineuropatiadesmielinizante inflamatória crônica pós tratamento com interferonpeguilado alfa 2B em um paciente co-infectado HIV/HCV: relato de caso. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. 43 (1): 89-91, jan-fev, 2010.
4 Santos PL, Ribeiro GANA, Silva DMD, Júnior WM, Barreira AA. Chronic inflammatory demyelinating polyneuropathy: quality of life, sociodemographic profile and physical complaints. ArqNeuropsiquiatr 2014; 72(3): 179 – 183.
5 Silva CAB, Stivali CM, Martoni FR, Faria D, Mandu AS, Oliveira TM et al. A influência da estimulação sensório-motora plantar em indivíduos com polineuropatia: relato de casos. ver Neurocienc 2011; 19 (2): 266-272.
6 Bussmann JB,Garssem MP,Doorn PA, Stam HJ.Analysing the Favourable effects of physical exercice: relationships between physical fitness, fatigue and functioning in Guillain – Barré Syndrome and chronic inflammatory demyelinating polyneuropathy. J Rehabil Med 2007; 39: 121 – 125.
7 Umphred, DA. Reabilitação neurológica. 4ª edição. Berueri, SP: Ed. Manole, 2004
8 Meningroni PC, Nakada CS, Hata L, Fuzaro AC, Júnior, WM, Araujo JE. Contralateral force irradiation for the activation of tibialis anterior muscle in carriers of Charcot-Marie-Tooth disease: effect of PNF intervention program. Rev Bras Fisioter. 2009;13(5):438-43.
9 Alencar RF, Cordeiro TGF, Anjos PGA, Cavalcanti PL. Facilitação Neuromuscular Proprioceptiva em tatame na reaquisição de funções na lesão medular. RevNeurocienc 2011;19(3):512-518.
10 Merkies IJS, Hughes RAC, Donofrio P, Bril V, Dalakas MC, Hanna K et al. Understanding the consequences of chronic inflammatory demyelinating polyradiculoneuropathy from impairments to activit and participarion estrictions and reduced quality of life: the ICE study. Journal of the Peripheral Nervous Systen 15: 208 – 2015 (2010).
11 Kan F,Amatya B. Rehabilitation interventions in patients with acute demyelinating polyneuropathy: a systematic review. Eur J phis Rehabil Med 2012; 48: 507 – 22.
12 Borella MP,Sacchelli T. Os efeitos da prática de atividades motoras sobre a neuroplasticidade. RevNeurocienc 2009; 17(2): 161 – 9.
13 Zilli F,Lima ECBA,Kohler MC. Neuroplasticidade na reabilitação de pacientes acometidos por AVC. Rev Ter OcupUniv São Paulo. 2014set./dez.;25(3):317-322.
14 Martini CSS. Observação e experimentação dos padrões motores na plasticidade cerebral e/ou comportamental: estudo em doentes de esclerose múltipla. Porto, 2009.

Downloads

Publicado

2021-12-15

Edição

Seção

Relato de Caso