O BOI-BUMBÁ DE PARINTINS COMO AGENTE DE EDUCAÇÃO PATRIMONIAL NO ESTADO DO AMAZONAS

  • Ericky da Silva Nakanome Associação Folclórica Boi-Bumbá Caprichoso

Resumo

O artigo visa discutir a festa do boi-bumbá de Parintins como agente arte-educativo e proporciona, por um ponto de vista específico, questões relacionadas a diversos saberes populares, revelando aos espectadores uma visão panorâmica acerca das discussões do espetáculo, incluindo no arcabouço do tema a educação patrimonial. Sem negar os aspectos que transformaram a brincadeira de terreiro e quintal em uma festa “espetacularizada”, o Festival de Parintins se referenda do universo amazônico pelos aspectos que teceram a cultura brasileira, recriando, em seus quadros cênicos, ritos indígenas, celebrações festivas de diversas singularidades, os reinos de encantarias e o rico repertório do imaginário da floresta. Por meio de suas toadas, cantos, danças e representações, o bumbá de Parintins possibilita à comunidade usuária desse importante instrumento o contato com temáticas esquecidas e negadas na contemporaneidade, fazendo uma revisitação atemporal e ancestral para os espectadores.

Palavras-chave: Boi bumbá de Parintins; Cultura popular; Festival Folclórico de Parintins; Educação patrimonial.

Biografia do Autor

Ericky da Silva Nakanome , Associação Folclórica Boi-Bumbá Caprichoso

Mestre em Artes Visuais pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Professor do Curso de Licenciatura em Artes Visuais (ICZEZ -UFAM). Presidente do Conselho de Artes da Associação Folclórica Boi-Bumbá Caprichoso

Publicado
2020-05-29