Clima organizacional: Um estudo de caso com Auditores Técnicos de Controle Externo do Tribunal de Contas do Estado do Amazonas (TCE/AM)

  • Robson Wagner Rodrigues Monteiro Júnior UFAM
  • Ana Flávia de Morais Morais Universidade Federal do Amazonas - UFAM
Palavras-chave: Clima organizacional

Resumo

O clima organizacional nunca foi tão discutido quanto atualmente. Fato que ocorreu após se constatar que é um fator fundamental no sucesso da organização e na utilização como estratégia organizacional. Quanto ao TCE/AM, através do programa “Estoque Zero”, a organização espera que os setores realizem uma redução nos estoques de processos e uma maior eficácia nos trabalhos. Nesse contexto, definiu-se como problema: Qual a influência que o clima organizacional exerce sobre a produtividade dos servidores da Diretoria de Controle Externo de Obras Públicas (DICOP). A partir disso, foram definidos como objetivos: Avaliar o clima organizacional da DICOP por meio de 10 (dez) variáveis organizacionais; identificar se o clima organizacional da DICOP exerce influência sobre a produtividade, e apresentar melhorias para a geração de clima organizacional favorável aos desempenhos dos funcionários, se necessário. Quanto à Metodologia, a natureza da pesquisa foi definida como aplicada; quanto aos objetivos é do tipo descritiva; as abordagens são quantitativas; os procedimentos foram definidos como estudo de caso e survey; para coletar os dados foi utilizado um questionário de 32 perguntas fechadas. Quanto aos Resultados, tem-se que 76% responderam que o clima organizacional exerce influência sobre a produtividade. Conclusão: o clima organizacional da DICOP influencia fortemente a produtividade. Dessa forma, os dirigentes da Corte de Contas do Amazonas devem tornar o clima mais satisfatório para a implementação do programa “Estoque Zero”.

Referências

Affonso, L. M. F.; Rocha, H. M. (2010) Fatores organizacionais que geram insatisfação no servidor público e comprometem a qualidade dos serviços prestados. VII SEGET – Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia, v. 7.
Beuren, I. M., Kaveski, I. D. S., & Rigo, V. P. (2014). Associação das medidas de desempenho para pagamento de bônus aos executivos com dependência de capital humano. Revista Contemporânea de Contabilidade, 11(22).
Dias, J. M. A. M., & Borges, R. S. G. (2015). Estilos de liderança e desempenho de equipes no setor público. REAd-Revista Eletrônica de Administração, 21.
Diehl, A. A., e Tatim, D. C. (2004). Pesquisa em ciências sociais aplicadas: Métodos e Técnicas. Prentice Hal.
Filho, G. I. R.; Ribeiro, D., M. (2012) Gestão do Clima Organizacional - Conceitos, diagnostico e estratégia gerenciais. In: XXXII Encontro Nacional de Engenharia de Produção, XXXII. 2012, Bento Gonçalves. Anais...Rio Grande do Sul: p. 01-13.
Filho, F. M., e Arruda, F. E. J. (2013). Planejamento da Pesquisa Cientifica. São Paulo: Atlas.
Ferreira, A. et al. (2006). Teorias de motivação: uma análise da percepção das lideranças sobre suas preferências e possibilidade de complementaridade. XIII SIMPEP UNESP, pp. 1 - 12.
Gil, A. C. (2008). Métodos e Técnicas de pesquisa socia. São Paulo: Atlas, p. 158.
Lacombe, F. J. (2012). Recursos humanos: princípios e tendências. São Paulo: Saraiva.
Lima, L. C., Leuch, V., e Buss, B. R. (2017). A importância da pesquisa de clima organizacional para análise do nível de satisfação dos colaboradores e da estrutura organizacional. Espacios, pp. v. 38, n. 28, p.13-22, abr. 2017.
Ludke, M., André, M. (2013). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. Rio de Janeiro: E.P.U.
Luz, R. (2003). Gestão do clima organizacional. Rio de Janeiro: Qualitymark

Luz, R. (2003). Gestão do clima organizacional. Rio de Janeiro: Qualitymark, p. 42-46.
Machado, R. Z., e Goulart, M. M. (2014). A pesquisa de clima e sua importância como ferramenta estratégica de gestão para as organizações: um estudo comparativo no ramo da engenharia consultiva. Congresso nacional de excelência em gestão (pp. 2014. p. 1 - 18). Rio de Janeiro: Fieb.
Mallet, R. (2009). Os Inimigos do Clima Produtivo. Disponível em:< http://www.administradores.com.br/artigos/economia-e-financas/clima-organizacional-o-poder-do-ambiente-sobre-a-produtividade/31314>. Acesso em 25 mai. 2019.
Marques, J. R. (2016). O reconhecimento profissional como fator motivacional no trabalho. Disponível em: . Acesso em: 16 mai. 2019.
Maximiano, A. C. (2009). Teoria Geral da Administração: da revolução. São Paulo: Atlas.
Máximo, W. (2012). Elevação da produtividade do serviço público depende de melhoria da gestão. Disponível em: . Acesso em: 28 mai. 2019.
Michel, M. H. (2015). Metodologia e pesquisa científica em ciências sociais: um guia prático para acompanhamento da disciplina e elaboração de trabalhos monográficos. (3a ed.), São Paulo: Atlas.
Ministério da Fazenda (2016). Governo divulga boletins de análise dos gastos federais edas finanças públicas estaduais. Disponível em:. Acesso em: 06 jun. 2019.
Nittis, L. (2018). Setor público: iniciativas para gerar mais produtividade no trabalho. Disponível em: . Acesso em: 28 mai. 2019
Nascimento, F. P., & Souza, F. L. (2015). Metodologia da pesquisa científica: teoria e prática: como elaborar TCC. Fortaleza: INESP.
Nursalam, N., Elina, Y., e Wahyuni, E. D. (2017). The analysis of job satisfaction nurse based on organizational climate. Jornal Ners, pp. 154-163.
Oliveira, D. d., Carvalho, R. J., e Rosa, A. C. (2012). Clima Organizacional: Fator de Satisfação no Trabalho e Resultados Eficazes na Organização. 14 simpósio de excelência em gestão e tecnologia.
Oliveira, J. C., Oliveira, A. L., Morais, F. d., Silva, G. M., e Silva, C. N. (2016). O questionário, o formulário e a entrevista como instrumento de coleta de dados. Congresso nacional de educação – CONEDU, 8.
Pereira, M., Aragão, J., e Gomes, R. (2015). A importância do treinamento e capacitação de pessoas: um estudo de caso na lavanderia industrial alfa. Disponível em: . Acesso em: 15 mai. 2019.
Pérez, A. M. (2017). Comunicación organizacional como dimensión necesaria para medir el clima en las organizaciones en salud pública. Revista Cubana de Salud Pública, v. 16, n. 1, p.57-67.
Pública, J. (2018). Entenda como aperfeiçoar a Gestão no Setor Público. Disponível em: . Acesso em: 28 mai. 2019.
Sampieri, R, H., Collado, C, F., Lucio, P. B. (2006). Metodologia de Pesquisa. 3. Ed. Trad.: Fátima Conceição Murad; Melissa Kassner; Sheila Clara Dystyler Ladeira. São Paulo: McGraw-Hill Interamericana do Brasil Ltda.
Santos, L. J., & Paranhos, M. S. (2017). Os trabalhadores das Equipes de Saúde da Família no Rio de Janeiro: aspectos da liderança em pesquisa de clima organizacional. Ciência & Saúde Coletiva, vol.22, n.3, p.759-770. ISSN 1413-8123. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232017223.33112016.
SEBRAE. (2017). Clima Organizacional: A importância de um bom clima organizacional na empresa. Disponível em: . Acesso em: 30 mai. 2019.
Spector, P. E. (2010). Psicologia nas organizações. (3a. ed.), São Paulo: Saraiva.
Staudt, D., Reggiori, G., M. (2016). O Real Significado da Motivação. Revista Gestão e Conhecimento.
Taniguchi, K., e Costa, A. L. (2010). Clima organizacional: Uma ferramenta estratégica para o diagnóstico em recursos humanos. Revista de Ciências Gerenciais, p.207-223.
Tenório, F. G. (1998). Gestão social: uma perspectiva conceitual. Disponível em: . Acesso em: 16 jul. 2019.
Tibúrcio, S. J., e Santana, L. C. (2014). A comunicação interna como estratégia organizacional. Revista de Iniciação Científica Cairu.
Publicado
2020-11-04
Como Citar
Monteiro Júnior, R. W. R., & de Morais Morais, A. F. (2020). Clima organizacional: Um estudo de caso com Auditores Técnicos de Controle Externo do Tribunal de Contas do Estado do Amazonas (TCE/AM). UFAM Business Review - UFAMBR, 3(1), 54-78. https://doi.org/10.47357/ufambr.v3i1.6258
Seção
Artigos