IDENTIFICAÇÃO DAS UNIDADES GEOMORFOMÉTRICAS A PARTIR DA DECLIVIDADE E PLANO DE CURVATURA NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO HENRIQUE, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL/ Identification of geomorphometric units from the slope and plane of curvature in the watershed

Identification of geomorphometric units from the slope and plane of curvature in the watershed of river Henrique, Rio Grande do Sul, Brazil

  • André Ricardo Furlan Universidade Federal de Santa Maria, Brasil
  • Romário Trentin Universidade Federal de Santa Maria, Brasil

Resumo

A bacia hidrográfica torna-se uma célula de suma importância para análise geomorfológica. A difusão nas últimas três décadas dos Sistemas de Informação Geográfica (SIG) faz com que o processamento de dados digitais se torne mais eficientes devido ao desenvolvimento de softwares e de hardwares que possibilitam o processamento de grande volume de dados. A análise geomorfométrica apresenta-se como um procedimento de análise geomorfológica, apresentando agilidade e praticidade na análise de vertentes. Aliado a análise laboratorial, encontra-se a trabalho campo, que oferece subsídios a análise geográficas da realidade proporcionando a conferencia dos dados obtidos em laboratório. Para realizar essa análise, foi necessário a interpolação dos dados vetoriais transformando-os e matriciais, e a partir de árvore de decisão e processamento em SIG obtém-se seis unidades geomorfométicas (UGs). Como resultado observa-se que as maiores porcentagens em área estão relacionadas as UGs III e IV, porém em áreas de terraços e planícies fluviais encontra-se a UG I e nos topos dos morros e morrotes a UG II, já as UGs V e VI são vistas nas médias e altas vertentes. Dessa forma, a utilização de arvore de decisão para mapeamento geomorfométrico aliado ao trabalho de campo, torna-se uma metodologia que permite agilidade e identificação dos processos superficiais.

Referências

BOTELHO, R. G. M.; SILVA, A. S. Bacia hidrográfica e qualidade ambiental. In: VITTE, A. C; GUERRA, A. T. (Org.). Reflexões sobre a Geografia Física no Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004, p. 153-192.

BOTELHO, R. G. M. Bacias Hidrográficas Urbanas. In: GUERRA, A. T. (ORG.). Geomorfologia Urbana. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011, p. 71-115.

BOTELHO, R. G. M. Planejamento ambiental em microbacia hidrográfica. In: GUERRA, A. T.; SILVA, A. S. da; BOTELHO, R. G. M. (Org.). Erosão e Conservação dos Solos: conceitos, temas e aplicações. 10. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2015, p. 270-300.

CHAGAS, C. S. Mapeamento digital de solos por correlação ambiental e redes neurais em uma bacia hidrográfica no domínio de mar de morros. Tese (Doutorado em Solos e Nutrição de Plantas), Universidade Federal de Viçosa, Viçosa. 2006. 286p.

CHRISTOFOLETTI, A. Geomorfologia. São Paulo: Edgard Blucher, 1980.

CHRISTOFOLETTI, A. Geomorfologia fluvial. São Paulo: Edgard Blucher, 1981.

COELHO NETTO, A. L; AVELAR, A de. S. O uso da terra e a dinâmica hidrológica comportamento hidrológico e erosivo de bacias de drenagem. In: SANTOS, R. F. dos (Org.). Vulnerabilidade ambiental: Desastres naturais ou fenômenos induzidos?. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2007. p.65-73.

COMPANHIA DE PESQUISAS E RECURSOS MINERAIS. Gravataí – SH,22-X-C-V, escala 1:100.000: nota explicativa. Porto Alegre: UFRGS/CPRM, 2007.

CUNHA, S. B. Geomorfologia fluvial. In: GUERRA; A. J. T; CUNHA; S. B (Org.). Geomorfologia: Uma Atualização de Bases e Conceitos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1994, p. 211-252.

CUNHA, S. B.; GUERRA, A. J. T. Degradação ambiental. In: GUERRA, A. J. T; CUNHA, S. B (Org.). Geomorfologia e Meio Ambiente. 11. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012, p. 337-379.

DIAS, D. F.; TRENTIN, R.; MARQUES, R. D. Utilização de parâmetros geomorfométricos para a classificação do relevo do município de Mata – RS. Revista GEOgrafias, Belo Horizonte, v.12, n.1, p. 90-101, 2016.

ENVIRONMENTAL SYSTEMS RESEARCH INSTITUTE. ArcGIS® 10.1 License Manager and Installation. Disponível em: . Acesso em: 10 mar. 2016

FITZ, P. R. Cartografia básica. São Paulo: Oficina de textos, 2008a.

FITZ, P. R. Geoprocessamento sem complicação. São Paulo: Oficina de textos, 2008b.

FLORENZANO, T. G. Introdução à Geomorfologia. In: ___________. (Org.). Geomorfologia: conceitos e tecnologias atuais. São Paulo: Oficina de Textos, 2008, p.11 - 30.

GUADAGNIN, P M A; TRENTIN, R. Compartimentação geomorfométrica da bacia hidrográfica do Arroio Caverá - RS. Geo UERJ, v. 16, n. 25, p.183-199, 2014.

GUADAGNIN, P. M. A.; TRENTIN, R.; ALVES, F. S. Relação entre as Variáveis Geomorfométricas e a Vegetação Florestal na Bacia Hidrográfica do Arroio Caverá-Oeste do RS. Revista do Departamento de Geografia, v. 29, p. 246-261, 2015.

GUERRA, A. J. T; MARÇAL, M dos. S. Geomorfologia Ambiental. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009.

HASENACK, H.; WEBER, E (ORG.). Base Cartográfica Vetorial Contínua do Rio Grande do Sul. Série Geoprocessamento, Porto Alegre: Centro de Ecologia da UFRGS, 2010. 1 DVD.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Manual técnico de geomorfologia. Coordenação de Recursos Naturais e Estudos Ambientais. 2ª ed. Rio de Janeiro: IBGE, 2009.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Mapeamento Pedológico. 1:250.000. Rio de Janeiro: IBGE, 2003.

MARK, D. M. Geomorphometric parameters: a review and evaluation. Geografiska Annaler. Series A, Physical Geography, v. 57, n. 3-4, p.165-177, 1975.

MENDONCA, F. A. Diagnóstico e análise ambiental de microbacia hidrográfica: Proposição metodológica na perspectiva do zoneamento, planejamento e gestão ambiental. RA’ EGA, v. 3, p. 67-90, 2000.

MUÑOZ, V. A. Análise geomorfométrica de dados SRTM aplicada ao estudo das relações solo-relevo. Dissertação (Mestrado em Sensoriamento Remoto), Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, São José dos Campos,2009. 112p.

PIKE, R. J. Geomorphometry diversity in quantitative surfase analysis. Progress in Physical Geography, v. 24, n. 1, p. 1-20, 2000.

PRINA, B. Z; TRENTIN, R. Caracterização detalhada das unidades de relevo do município de Jaguari (RS)/Brasil. Caderno de Geografia, v. 26, n. 46, p. 404-426, 2016. DOI: 10.5752/p.2318-2962.

ROSSATO, M. S. Os climas do Rio Grande do Sul: variabilidade, tendências e tipologias. Tese (Tese em Geografia) – Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2011.

TRENTIN, R; ROBAINA, L. E. de S. Classificação das unidades de relevo através de parâmetros geomorfométricos. Mercator, v. 15, n. 3, p. 53-66, 2016.

TRENTIN, R.; ROBAINA, L. E. S.; SILVEIRA, C. T. Compartimentação Geomorfométrica da Bacia Hidrográfica do Rio Itú/RS. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 16, n. 2, p. 219-237, 2015.

SILVEIRA, C. T. Análise digital do relevo na predição de unidades preliminares de mapeamento de solos: integração de atributos topográficos em sistemas de informações geográficas e redes neurais artificiais. Tese (Doutorado em Geografia), Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2010. 153p.

SIRTOLI, A. E. et al. Parâmetros do relevo derivados do modelo digital de elevação e suas relações com solos. Scientia Agraria, Curitiba, v. 9, n. 3, p. 317-329, 2008.

VALERIANO, M. M. Dados Topográficos. In: FLORENZANO, T. G (Org.). Geomorfologia: conceitos e tecnologias atuais. São Paulo: Oficina de Textos, 2008, p.72-104.

VALERIANO, M. M.; CARVALHO JUNIOR, O. A. Geoprocessamento de modelos digitais de elevação para mapeamento da curvatura horizontal em microbacias. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 4, n. 1, p. 17-29, 2003.

VASCONCELOS, V.; CARVALHO JÚNIOR, O. A.; MARTINS, E. S.; COUTO JUNIOR, A. F.; GUIMARÃES, R. F.; GOMES, R. A. T. Sistema de classificação geomorfométrica baseado em uma arquitetura sequencial em duas etapas: árvore de decisão e classificador espectral, no Parque Nacional Serra da Canastra. Revista Brasileira de Geomorfologia, v.13, n. 2, p. 171-186, 2012.

VIEIRA, V. T; CUNHA, S. B. Mudanças na Rede de Drenagem Urbana de Teresópolis (Rio de Janeiro). In: GUERRA, A. J. T; CUNHA, S.B (Org.). Impactos Urbanos no Brasil. 3. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil., 2005, p. 111-145.

WOOD, J. The geomorphological characterisation of digital elevation models. PhD Thesis (Doctorate in Geography), University of Leicester, Leicester, 1996. 238p.
Publicado
2019-07-02
Como Citar
FURLAN, André Ricardo; TRENTIN, Romário. IDENTIFICAÇÃO DAS UNIDADES GEOMORFOMÉTRICAS A PARTIR DA DECLIVIDADE E PLANO DE CURVATURA NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO HENRIQUE, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL/ Identification of geomorphometric units from the slope and plane of curvature in the watershed. REVISTA GEONORTE, [S.l.], v. 10, n. 34, p. 01-19, jul. 2019. ISSN 2237-1419. Disponível em: <http://www.periodicos.ufam.edu.br/revista-geonorte/article/view/4869>. Acesso em: 15 out. 2019. doi: https://doi.org/10.21170/geonorte.2019.V.10.N.34.01.19.
Seção
Artigos