A IDENTIFICAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE SANTARÉM, ESTADO DO PARÁ, BRASIL, A PARTIR DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO/ Identification of Areas of Permanent Preservation in the Municipality of Santarém, Para State, Brazil, from Geop

  • Simmon Viegas Universidade Federal do Oeste do Pará - UFOPA
  • Rodolfo Maduro Almeida Universidade Federal do Oeste do Pará - UFOPA
  • Felipe de Souza e Souza Universidade Federal do Oeste do Pará - UFOPA

Resumo

O objetivo aqui proposto é identificar as áreas de preservação permanente do município de Santarém, tendo como base o Código Florestal Brasileiro e a resolução 303 do Conselho Nacional de Meio Ambiente (CONAMA). Para tanto, foram utilizados dados do modelo digital de elevação Shuttle Radar Topography Mission (SRTM), dados de sensoriamento remoto orbital do satélite LandSat-5 e rede de drenagem da cidade. A pesquisa consistiu em extrair os topos de morros, encostas, nascentes e cursos d’água, realizar o mapeamento visual do uso e ocupação da área urbana de Santarém a partir de imagens orbitais e comparar o uso e ocupação de área urbana da cidade com APP’s identificadas, afim de fornecer subsídios para o planejamento da expansão de ocupação urbana no município. As análises dos resultados mostraram áreas de maior atenção para o planejamento de ações que visem conter o avanço das intervenções antrópicas sobre as APP’s, evidenciando que estas informações importantes para o planejamento e ordenamento territorial da área urbana do município de Santarém.

Referências

BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. Saúde Ambiental e Gestão de Resíduos de Serviços de Saúde. Brasília, Editora MS, 2002.
BRASIL. Resolução CONAMA n° 303, de 20 de março de 2002, dispõe sobre as áreas de preservação permanente. Disponível em: http://www.mma.gov.br/. Acesso em: 22 de novembro de 2014.
DELITTI, W. B. C. Ciclagem de nutrientes minerais em matas ciliares. In: BARBOSA, L. M., coord. Anais do Simpósio sobre mata ciliar. Campinas: Fundação Cargil, 1989. p. 88.
FURTADO, A.M.M.; MACEDO, M.R.A.; As Unidades de Relevo e a Expansão do Sítio Urbano da Grande Santarém – Microrregião do Médio Amazonas Paraense – Estado do Pará: Observações Preliminares. VI Simpósio Nacional de Geomorfologia. Pará, 2006.
HINKEL, R. Vegetação ripária: funções e ecologia. Seminário de Hidrologia Florestal: Zonas ripárias, v. 1, p. 40-80, 2003.
HOTT, M. C.; GUIMARÃES, M.; MIRANDA, E. E. Um Método para a Determinação Automática de Áreas de Preservação Permanente em Topos de Morros para o Estado de São Paulo. In: Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 12, 2005, Goiânia. Anais. São José dos Campos: Inpe, 2005.
LUZ, E.F.; Área de Preservação Permanente (APP) Módulo 05 e Setor J Localizado no município de Juína/MT. Juína, 2010.
MORAIS, A. C.; SANTOS, A. R. Geomática e Análise Ambiental: Aplicações práticas. Vitória, 2007.
MOTTA, D. M.; PÊGO, B; Licenciamento Ambiental para o Desenvolvimento Urbano: avaliação de instrumentos e procedimentos. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA. Rio de Janeiro, 2013.
SERIGATTO, E.M.; Delimitação de Áreas de Preservação Permanente e identificação dos conflitos de uso da terra na bacia hidrográfica do rio Sepotuba-MT. Viçosa: UFV, 2006.
SKORUPA, L.A.; Áreas de Preservação Permanente e Desenvolvimento Sustentável. Embrapa. Jaguariúna, 2003.
VARJABEDIAN, R; MECHI, A. As APP’s de Topo de Morro e a Lei 12.651/12. Ministério Público do Estado de São Paulo: Rua Riachuelo, n.º 115, 7º andar, centro, São Paulo, CEP: 01007-904. 2013.
Publicado
2018-12-16
Como Citar
VIEGAS, Simmon; ALMEIDA, Rodolfo Maduro; SOUZA, Felipe de Souza e. A IDENTIFICAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE SANTARÉM, ESTADO DO PARÁ, BRASIL, A PARTIR DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO/ Identification of Areas of Permanent Preservation in the Municipality of Santarém, Para State, Brazil, from Geop. REVISTA GEONORTE, [S.l.], v. 9, n. 33, p. 153-169, dez. 2018. ISSN 2237-1419. Disponível em: <http://www.periodicos.ufam.edu.br/revista-geonorte/article/view/4785>. Acesso em: 19 jan. 2019. doi: https://doi.org/10.21170/geonorte.2018.V.9.N.33.153.169.
Seção
Iniciação Científica