DINÂMICAS COMERCIAIS DA CIDADE DE OIAPOQUE – AP – BRASIL: SOB O CONTEXTO FRONTEIRIÇO/ Commercials dynamics of the city of Oiapoque - AP - Brazil: under the frontier context

SOB O CONTEXTO FRONTEIRIÇO

  • Audalice do Santos Feitosa Universidade Federal do Amapá
  • Edenilson Dutra de Moura Universidade Federal do Amapá

Resumo

Este artigo tem como objetivo evidenciar as influências das relações da fronteira franco-brasileira na economia da cidade de Oiapoque-AP. A fronteira aqui analisada apresenta especificidades que a difere das demais fronteiras do Brasil, em decorrência do processo de transformação espacial ocorrido ao longo dos anos, sobretudo, no espaço urbano de Oiapoque e por ser a única fronteira brasileira com a União Europeia. Atualmente as relações fronteiriças entre Brasil e Guiana Francesa, especificamente, Oiapoque e Saint George, ocasionam impactos consideráveis na economia da cidade. Na produção do espaço urbano local, o contexto fronteiriço e a localização geográfica da cidade permitem uma dinâmica econômica peculiar que se dinamiza frente à realidade fronteiriça, como, a circulação do Euro e de pessoas do país vizinho no comércio local. Destacam-se também, a economia de garimpo, o setor pesqueiro, o funcionalismo público e as atividades comerciais vinculadas ao setor do turismo. Quanto aos procedimentos metodológicos, destacam-se a realização de leituras em diferentes fontes documentais e bibliográfica, além de pesquisas de campo em diferentes segmentos e instituições da cidade envolvidos com o setor comercial. Este estudo mostra a importância do conhecimento e a compreensão dos fatores vinculados à fronteira franco-brasileira que influenciam no setor comercial local, evidenciando como se constituem as relações socioeconômicas nesta fronteira, o que possibilita o dinamismo do espaço urbano, na contemporaneidade.

Referências

ALMEIDA, Carina Santos; RAUBER, Alexandre Luiz. Oiapoque, aqui começa o Brasil: a fronteira em construção e os desafios do desenvolvimento regional. 2017.

BRASIL. Ministério do turismo. Turismo cultural: orientações básicas. Ministério do Turismo, Secretaria Nacional de Políticas de Turismo, Departamento de estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico, Coordenação-Geral de Segmentação. -3. ed. – Brasília. Ministério do Turismo, 2010. 96p.

CARLOS, Ana Fani Alexandre. A cidade. Ana Fani Alessandri Carlos. 9.ed., 1ª reimpressão. – São Paulo: Contexto, 2013. (Repensando a Geografia).

________. A condição espacial / Ana Fani Alessandri Carlos- São Paulo: Contexto, 2011.

CLAVAL, Paul. Geografia econômica e economia. 2005.

CHORINCAS, Joana. Geografia econômica: encontro e desencontro de uma ciência de encruzilhada. 2001. Infogeo, 16/17. Lisboa, Edição Colibri, 2001/2002.

CORRÊA, Roberto Lobato. Sobre agentes sociais, escalas e produção do espaço: um texto para discussão In: CARLOS, Ana Fani Alessandri. SOUZA, Marcelo Lopes. Spósito, Maria Encarnação Beltrão. (org.). A produção do espaço urbano: agentes, processos, escalas e desafios – 1.ed. 3ª reimpressão. – São Paulo: Contexto, 2014.

COSTA, Everaldo Batista da. Geografia urbana aplicada: possibilidades, utopias e metodologia. Belo Horizonte, 2011.

COSTA, José Eloízio da. Geografia econômica. 2009. Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, CESAD, 2009.

COUTO, Bárbara R. Mapa divisão de bairros da cidade de Oiapoque (GAU): e imagem fornecida pelo projeto base cartografias digital continua do estado do Amapá. 2017

Lakatos, Eva Maria. Metodologia científica / Eva Maria Lakatos, Marina de Andrade Marconi. – 6. Ed. – São Paulo: Atlas, 2011.

MARTINS, Carmentilla das Chagas. Relações bilaterais Brasil/França: A nova perspectiva brasileira para a fronteira Amapá/Guiana Francesa no contexto global. 2008.124 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Universidade de Brasília, Brasília- DF, 2008.

MOURA, Edenilson Dutra de. Urbano-fronteiriço: espacialidades e especificidades urbanas na fronteira franco-brasileira – Oiapoque – Amapá. In: Revista Casa de Makunaima. Edição 1 (2018) p. 51 - 65 Disponível em:https://casademakunaima.uerr.edu.br/index.php/home/article/view/24/6. Acesso em: 20 de agosto de 2018.

OLIVEIRA, Betiana de Souza. Dinâmicas sociais na fronteira entre o estado do Amapá e a Guiana Francesa: um estudo sobre Oiapoque, Vila Vitória do Oiapoque e Cayenne. 2011. 126 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Regional) – Universidade Federal do Amapá, Macapá-AP, 2011.

PALHARES, J. M.; GUERRA, A. J. T. Potencialidades no município Oiapoque, Amapá, para o desenvolvimento do geoturismo. Revista Espaço Aberto, PPGG-UFRJ, V.6, N.2, p. 51-72. 2016.

RIO, Gisela Pires do. A espacialidade de economia: superfícies, fluxos e redes. 2012.

ROMANI, Carlo. A história entre o oficial e o lendário: interações culturais no Oiapoque. 2010.

SANTOS, Emmanuel Raimundo Costa. Amazônia setentrional amapaense: do “mundo” das águas às florestas protegidas. 2012. 276 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciência e Tecnologia, Presidente Prudente- SP, 2012.

SANTOS, Milton. Espaço e método. São Paulo: Nobel,1985.

SILVA, Ana Regina Ferreira. Perspectivas das políticas territoriais na faixa de fronteira internacional da Amazônia oriental brasileira: estado do Pará e do Amapá. 2011. 190 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Federal do Pará, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Belém, 2011.

SILVA, Gutemberg de Vilhena. Desenvolvimento econômico em cidades da fronteira amazônica: ações, escalas, e recursos para Oiapoque-AP. Revista franco-brasileira e geografia. 2017.

SILVA, José Maria da. A Cidade de Oiapoque e as relações transnacional na fronteira Amapá - Guiana Francesa. 2005.
Publicado
2018-12-15
Como Citar
FEITOSA, Audalice do Santos; MOURA, Edenilson Dutra de. DINÂMICAS COMERCIAIS DA CIDADE DE OIAPOQUE – AP – BRASIL: SOB O CONTEXTO FRONTEIRIÇO/ Commercials dynamics of the city of Oiapoque - AP - Brazil: under the frontier context. REVISTA GEONORTE, [S.l.], v. 9, n. 33, p. 43-65, dez. 2018. ISSN 2237-1419. Disponível em: <http://www.periodicos.ufam.edu.br/revista-geonorte/article/view/4779>. Acesso em: 19 jan. 2019. doi: https://doi.org/10.21170/geonorte.2018.V.9.N.33.43.65.
Seção
Artigos