REFORMA NEOMALTHUSIANA E MOVIMENTO AMBIENTALISTA: POPULAÇÃO E MEIO AMBIENTE

  • Diogo Marcelo Delben Ferreira de Lima

Resumo

Tendo conhecimento das novas relações de poder e dos conflitos de interesse em torno do controle dos recursos naturais, o estudo tem como objetivo analisar a plataforma ambientalista, sobretudo o neomatlhusianismo e a política internacional do meio ambiente, com a intenção de rejeitar a tese de que a reforma neomalthusiana traduz o ambientalismo. Thomas R. Malthus defendeu que o crescimento populacional compromete os meios de subsistência, gerando miséria humana e mazelas sociais. A corrente neomalthusiana sublinha que a pressão demográfica força o aumento da demanda e, consequentemente, o ritmo das atividades industriais, causadoras de danos ambientais. O movimento ambientalista abriga diversas éticas e frentes de atuação, razão pela qual é multifacetado, logo, não se confunde com o neomalthusianismo, embora a tensão população e meio ambiente esteja presente em alguns instrumentos internacionais.

##submission.authorBiography##

Diogo Marcelo Delben Ferreira de Lima
UFMT
Publicado
2013-07-10
Como Citar
FERREIRA DE LIMA, Diogo Marcelo Delben. REFORMA NEOMALTHUSIANA E MOVIMENTO AMBIENTALISTA: POPULAÇÃO E MEIO AMBIENTE. REVISTA GEONORTE, [S.l.], v. 4, n. 12, p. 575 - 589, jul. 2013. ISSN 2237-1419. Disponível em: <http://www.periodicos.ufam.edu.br/revista-geonorte/article/view/1191>. Acesso em: 15 out. 2019.

Palavras-chave

ambientalismo; demografia; ideologia; sustentabilidade;