DIALÉTICA CIENTÍFICO-AMBIENTAL NA GEOPOLÍTICA ANTÁRTICA: REPERCUSSÃO NO PROGRAMA ANTÁRTICO BRASILEIRO (PROANTAR).

  • Rogério M. Gandra
  • Jefferson Cárdia Simões UFRGS

Resumo

O contexto geopolítico da região antártica, neste início de século XXI, começa a ser interpretado a partir da sua dimensão científico-ambiental, em detrimento do forte discurso econômico-territorial, que prevaleceu até o emblemático ano de 1991, quando ocorreu a ratificação do Protocolo sobre Proteção Ambiental do Tratado da Antártida (Protocolo de Madri). Este trabalho, parte integrante de uma pesquisa de doutorado, tem por objetivo analisar o atual panorama científico-ambiental da Antártida, no qual a ciência vem assumindo maior peso (geo)político dentro do Sistema do Tratado Antártico, procurando definir sua própria agenda. É dentro deste contexto que o Brasil deverá inserir a sua (geo)política antártica, a partir de ações inovadoras que quebrem antigos paradigmas científicos, no âmbito do Programa Antártico Brasileiro (PROANTAR).

##submission.authorBiography##

Rogério M. Gandra
UFRGS
Publicado
2013-07-10
Como Citar
GANDRA, Rogério M.; SIMÕES, Jefferson Cárdia. DIALÉTICA CIENTÍFICO-AMBIENTAL NA GEOPOLÍTICA ANTÁRTICA: REPERCUSSÃO NO PROGRAMA ANTÁRTICO BRASILEIRO (PROANTAR).. REVISTA GEONORTE, [S.l.], v. 4, n. 12, p. 434 - 447, jul. 2013. ISSN 2237-1419. Disponível em: <http://www.periodicos.ufam.edu.br/revista-geonorte/article/view/1183>. Acesso em: 15 out. 2019.

Palavras-chave

Geopolítica antártica. Sistema do Tratado Antártico. PROANTAR. Dialética científico-ambiental.